Da série “perguntas sem resposta”

face-questions-1567164Um leitor do Blog da Fuzarca me perguntou em um comentário se eu saberia responder porque a diretoria achou melhor vender o Jhon Cley enquanto preferiu renovar com Sandro Silva até dezembro de 2016.

Obviamente eu não saberia responder à pergunta. E dadas as circunstâncias, dificilmente a própria diretoria saberia. Pelo menos sem provocar algum constrangimento para si mesma.

Jhon Cley, meia criado no Vasco e com apenas 21 anos, teria seu contrato com o clube encerrado em dezembro. Há outros 17 jogadores na mesma situação no elenco, e nenhum além do rapaz foi negociado. Pode-se dizer que, diferente dos outros, Cley recebeu uma proposta do exterior. Mas a proposta de cerca de US$ 500 mil, convenhamos, foi uma ninharia, mesmo se se considerar o potencial de um jogador da sua idade.

Ainda assim, a decisão passa pelo departamento de futebol do clube. Se a diretoria considerou a oferta boa, nada se pode fazer. Cley não pareceu exatamente empolgado com sua ida para o Oriente Médio, mas fazer o que?

Mas aí voltamos para o Sandro Silva. Um volante que terá 32 anos ao fim do seu contrato com o Vasco, participou do rebaixamento em 2013, foi afastado do time ainda em 2014, voltou em 2015 para novamente ser afastado em tempo recorde. Como a gestão Dinamite fez o favor de fazer um contrato longo com o jogador, a atual achou por bem negociar: diminuiu seu salário e em contrapartida estendeu o compromisso com o jogador.

O resultado? O Vasco gastará com Sandro Silva, um jogador que não interessa ao clube e nem mesmo ao Bragantino (clube que o dispensou logo depois de contratá-lo por empréstimo), mais de R$ 3 milhões até 2016.

Reparem: o que o Vasco ganhou com a venda de Jhon Cley, um jogador criado na base do clube e que sequer teve todo seu potencial desenvolvido, não pagará nem metade dos salários do Sandro Silva, o volante trintão triplamente dispensado que ficará até o fim do ano apenas treinando, sem atuar por qualquer clube.

Ah, vale lembrar que o empresário que conseguiu garantir a boa vida do Sandro Silva por mais de um ano sem precisar jogar uma partida sequer se chama Orlando Almeida. Coincidentemente, também empresário do Nei, outro veterano come-dorme sem chances de jogar no elenco vascaíno. Estou pensando seriamente em contatar o Sr. Almeida e pedir que ele me agencie. Quem sabe não arranjo um contrato desses – em que não se precisa jogar para receber – em algum clube? Não no Vasco, claro.

Desculpe, caro leitor. Mas como se vê, é impossível para qualquer pessoa razoavelmente sensata responder à sua pergunta.

Questões sem respostas

vasco_questoesHoje é dia de enfrentar o Boa Esporte. QUEM?! B-o-a-e-s-p-o-r-t-e. Um time mineiro cujo maior feito histórico talvez tenha sido emprestar o Fracismar para o Vasco. Continuar lendo