Fuga

balanceFazendo um resumo da resenha que escrevi para o Blog da Fuzarca sobre a derrota para a mulambada, o que pudemos ver foi:

  • Que, na prática, o resultado não muda praticamente nada para nós em termos de classificação;
  • Que fizemos um jogo parelho e que sem nossos erros individuais poderíamos ter ganhado;
  • Que praticamente não há diferença entre as duas equipes e temos totais condições de vencê-los caso tenhamos confrontos decisivos.

Mas também ficou claro um problema muito sério da nossa equipe: não temos opções no banco que possam mudar os rumos de uma partida ou mesmo que mantenham o nível dos titulares. Que, diga-se de passagem, nem são tão bons assim para assegurar a titularidade.

Tirando as falhas de Martín Silva e Guiñazu, talvez essa tenha sido o que fez a diferença para o Framengo. Os mulambos apresentam um conjunto melhor porque mantiveram sua base do ano passado, incluindo aí seu treinador, e trouxeram reforços – na real acepção da palavra – pontuais. Enquanto isso, nós promovemos uma caça às bruxas no elenco e trouxemos jogadores como o Christianno, que se não consegue ser melhor que um Diego Renan, não pode nunca ser chamado de reforço.

Enquanto nós temos alguns titulares que só sustentam essa condição por falta total de opção, eles têm Marcelo Cirino como titular e reservas como Paulinho e Everton. E o que pudemos fazer durante o jogo? Dagoberto precisou ser substituído e entrou o Bernardo, um jogador que só consegue ser aceito no Vasco. Saiu Jhon Cley e entrou Yago, que até agora só conseguiu mostrar raros lampejos. Sai o Serginho e entra o Thalles, que até pode ter potencial, mas que também vive da lembrança de algumas boas partidas na Série B e da sua condição de jogador de seleção de base. Tais alterações do Doriva não poderiam nunca resolver o principal problema do time, que é a praticamente inexistente criatividade no meio. Tanto foi que, mais uma vez, só conseguimos marcar um gol em lance de bola parada.

A dura realidade é que a derrota para o mediano time mulambo serviu para mostrar quão ilusória era a nossa liderança. Era o que eu dizia há algum tempo: estarmos no topo da tabela era muito mais uma amostra do baixo nível do Estadual do que uma prova da qualidade da nossa equipe. A verdade é que, mesmo com a invencibilidade de dez jogos e a liderança por algumas rodadas, esse time do Vasco não fez mais que duas boas partidas em todo campeonato. E, por mais que não se queira admitir, ainda não conseguiu fazer uma partida no nível das melhores atuações do detestável time do ano passado.

Os entusiastas da atual diretoria, que andavam saltitando de alegria diante da eficientíssima política de contratações desse ano, que em tempo recorde montou um time “líder e invicto”, deveriam tomar a derrota de ontem como um choque de realidade. Mas não acredito que isso aconteça. Ainda temos o que melhores e podemos até ser campeões? Claro que sim, até porque nenhum dos concorrentes está com essa bola toda. Mas achar que o elenco montado foi o melhor possível, que temos um bom grupo e que a diretoria merece aplausos e elogios pelo trabalho feito é mais que exagero. É fuga da realidade.

Ainda é cedo?

marcinho_barraNa falta de notícias animadoras a tratar do time, vou contar aos parcos leitores que tiverem algum interesse o que eu achei do jogo contra o Barra Mansa.

Igual a todos os outros jogos que vi. Continuar lendo

Impressões vascaínas e freudianas

IMG_4663Na noite em que o prefeito quase construiu uma arca para a cidade, o dilúvio esperado faltou, assim como o bom futebol em São Januário. Ao que tudo indica, passaremos boa parte do campeonato Ingressão-2015 realçando a postura tática, a disposição, a vontade e a garra dos jogadores sem nem tangenciar um mísero elogio por um jogo bom.

Isso porque, parece-me muito claro, as limitações técnicas e criativas do time são bastante sólidas.  Marcinho, a despeito de dois importantes gols até agora, não mostrou-se nada à vontade com a aura do camisa 10. Pouco chama o jogo para si, não tem o ímpeto de assumir a responsabilidade e, diante de defesas mais fechadas, não ousa aquele passe inusitado ou o drible que desarma. Bernardo, inclusive, parece mais camisa 10 que ele. Busca desafiar um pouco mais a lógica da partida, arrisca alguma novidade e, não à toa, vem sendo presenteado com gols. A notícia ruim é que na maioria das vezes ele erra. E exagera nas tentativas em situações onde a jogada simples funcionaria. Enfim, segue sendo o que sempre foi. Uma bela expectativa e uma realidade bem irregular.

Rafael Silva, coitado, já ocupa, com vantagens, o posto de mais odiado pela torcida. Seja por jogar fora de sua posição ou só por não ser bom o suficiente para ocupar esse papel, fato é que Thales chegará com a vaga de titular sem nenhum esforço. Montoya completa o ciclo dianteiro sem nem chegar perto daquele sonho que fez o Vasco brigar até na FIFA pela sua inscrição. Tem lampejos, mas some, erra e se esconde muito durante o jogo.

Na parte defensiva estamos melhor. O que não quer dizer muito melhor. Rodrigo e Luan formam uma dupla boa. Mas insistem demais em linhas de impedimento, são envolvidos pelo adversário com relativa facilidade e erram passes bobos que não podem. Os laterais são surpreendidos com bolas nas costas mais do que deveriam. E quando cruzam, Senhor! Precisam treinar bastante, e urgentemente, esse fundamento. A boa notícia é Serginho. Chegou sem pompas, questionado por esse que vos escreve e tantos outros, mas uma grata surpresa até aqui. Posiciona-se bem, cerca o adversário, não abusa das faltas e quando a recupera sabe olhar para onde enviá-la. Não bastasse tudo de bom que já apresentou, ainda tem o benefício de poder aposentar para sempre, quem sabe, o Sandro Silva. Na opinião modesta e ignorante deste intrometido aqui, a melhor contratação até agora.

Por fim, Martin Silva, quando exigido, está lá. Para nunca mais termos pesadelos com aqueles cujo nome não tenho coragem de repetir.

Para um campeonato feito pela FERJ, está bom. Resta ver como nos comportaremos diante dos grandes, ainda mais quando nosso mandatário gritas suas bravatas provocativas, trazendo mais ódio e antipatia para o nosso clube e aumentando a pressão para o time. Para o nível baixo disso que tentam chamar futebol aqui no Rio, estamos até bem. Pro futuro, não sei. E que dá saudade de um joguinho bem jogado, de um Vasco mais respeitado, ah isso dá.

Até porque se eu me contentasse só com disposição, raça, postura, vontade, gana e aplicação, eu desistia do futebol e ia ver UFC.

Amor que não para
Quinta à noite. Partida transferida para mais tarde. Semana de volta às aulas. Somente venda física de ingressos. O prefeito promete uma catástrofe climática. Um time fraco. Nenhum ídolo.

Com tudo isso contra, mais de 7.000 vascaínos dispuseram-se a ir a São Januário, com todas as suas intempéries de acesso, para gritar por esse time, cantar o seu amor e tentar empurrar essa camisa para o lugar de onde, desrespeitosamente, as duas últimas gestões (incluindo essa que se repete agora) nos tiraram. É um amor genuíno e exasperado, que suporta os desmandos que seguem pelo clube na esperança de que, um dia, quem sabe, o respeito saia das palavras inúteis e volte a habitar a Colina histórica.

Dimimuam o salto
Um dos poucos acertos da FERJ para o Ingressão-2015 é a volta das preliminares de juniores antes das partidas. É sempre bom ver a base jogando, além de ajudar a levar a torcida mais cedo para o estádio e desconcentrar a entrada no início do jogo.

No jogo de ontem, a impressão foi de que a garotada subiu um tantinho no salto. Depois da goleada sobre a Cabofriense, os meninos da Colina entraram ontem tentando muitas jogadas individuais, abusando dos passes de efeito e deixando o toque de bola e o jogo coletivo pra lá do segundo plano. Temos possíveis valores ali, mas é muito importante que eles não sejam incensados à condição de craques absolutos e que sejam instruídos a pensarem, sobretudo, no clube.

Freud Irônico  é o alter ego virtual do publicitário Raphael Santos.
Twitter: @freud_ironico

Promessas?

doriva

Faltando poucos dias para a estreia no Torneio de Manaus, Doriva aparentemente já tem sua base. Claro que não é algo 100% porque o elenco não está fechado. A confirmação da vinda do lateral Madson (Bahia) e o despacho de Marlon para o Pará (Vá com D’us) faz com que a preparação acabe sendo meio capenga.

O time titular que treinou na última sexta-feira, sem Guina que precisou viajar para Argentina em razão de problemas familiares, foi: Martin, Jean Patrick, Luan, Rodrigo e Christiano; Sandro Silva, Lucas e Bernardo; Montoya, Rafael Silva e Marcinho.

Nessa escalação tenho muita dificuldade de acreditar na estabilidade de Bernardo e na promessa Montoya. O primeiro, enfant terrible da Colina, desde 2013 está perdido pelos campos brasileiros. Santos e Palmeiras não sentem a menor saudade do rapaz. Problemático, precisa dar uma guinada em seu emocional de 180 graus para poder se tornar um jogador confiável e relevante. Sua titularidade indiscutível – em razão da pobreza do plantel vascaíno – demonstra a decadência do planejamento de 2014. Bernardo, jogando mais, era reserva em 2011.

Montoya é aquela incógnita que está mais para desfeita. Diferentemente de Rafael Silva, que não jogou partidas suficientes para ser decretado como pereba, o colombiano parece ter um pouco de talento porém sem conseguir executar jogadas produtivas. Me recordo um pouco de Conca em seu inicio no Vasco. Só o começo. O argentino evoluiu e conduziu o Vasco em sua melhor fase na era Eurico. Montoya não disse a que veio e infelizmente não passa qualquer credibilidade que um dia fará.

Me preocupa a ausência de cabeças pensantes no time. Por mais que Douglas, o tio do churrasco com uma rapidez de tartaruga, não seja um primor, era o nosso camisa 10, batedor de faltas, pênaltis além de conduzir o ritmo da partida. Montoya e Bernardo são corredores. Quem sabe Marcinho terá esse papel de experiência, quem sabe…

Doriva terá bastante trabalho. Incrivelmente, em termos de nomes, nosso elenco é mais fraco que 2014. Que os resultados no campo de 2015 sejam inversamente proporcionais às nossas derrotas no ano que se encerrou.

Aguardaremos as cenas dos próximos capítulos.