O Mister Milton

3eced4130ca54e2c6c8ec29dcd76d186

Amigos vascaínos,

Depois de algum tempo sem escrever, cá estou eu de novo para tratar dos assuntos do nosso glorioso clube da Colina. Muito bacana ver essa motivação que tomou conta do torcedor vascaíno nas últimas semanas. Se antes era um torcedor cabisbaixo, com a camisa guardada no armário e com voz rouca, agora ele brada confiante, anda de cabeça erguida e enverga o manto do clube.  O número de sócios cresce, a média de público cresce e o caldeirão ferve como nunca.

Claro que não há espaço para utopias, os desafios do time são muitos, todos sabemos, mas aquela luzinha de esperança no final do túnel apareceu e essa é já suficiente para que o apaixonado torcedor volte ao campo de batalha disposto a pelejar pela sua cruz de malta. Eu sempre costumo dizer que um torcedor é antes de tudo um sonhador. Um torcedor suporta a dor da perda, suporta a dor da derrota, mas não suporta a dor da desesperança. Dêem ao torcedor um motivo para sonhar e ele volta ao clube apaixonado, disposto a defendê-lo com unhas de dentes.

O grande responsável dessa mudança no ambiente formado em torno do esquete vascaíno, a meu ver, está no banco de reservas. Milton Mendes chegou disposto a não ser mais um. Ele veio para mudar o Vasco, para impor sua filosofia e aos poucos vem se tornando numa grande preferência entre os torcedores.

Sim, Milton é tratado de maneira diferente pela torcida vascaína por reunir duas características fundamentais para um comandante: coragem e trabalho árduo. Não que os outros treinadores não tivessem também um pouco dessas características, mas não de forma conjunta e tão marcante como tem Milton Mendes. Ele não se furta ao risco, não se furta ao infortúnio. Milton é do tipo de pessoa que pode até perder, mas perde pelas suas idéias e não pelas idéias de outros.

E não é bem melhor assim? É muito ruim não conseguir uma coisa e acabar pensando que poderia ter feito diferente, que poderia ter tentado de outra forma. Se for para sair derrotado, que seja com a consciência tranquila de quem tentou de tudo o que estava ao alcance.

Quantos treinador passaram pelo Vasco nos últimos anos e reclamaram da postura adotada pelo Rodrigo? Possivelmente todos. Quantos tiveram coragem de bater de frente com ele? Só o Milton.

Jorginho tentou e foi fritado na diretoria até a demissão. Milton não tentou, fez. A diferença com que uma ideia é colocada muda tudo. É possível apresentar algo, mesmo sendo justo, com autoridade ou com submissão. A diferença está na convicção que se tem nos próprios argumentos. Se o profissional acredita naquilo que faz, ele impõe a situação de tal maneira que se torna impossível ficar contra sem correr o risco de assumir todo o peso de um possível fracasso. Se o profissional chega com a ideia pela metade, sem ter certeza do que quer, com vergonha de falar, acaba engolido pelos fatos. Perde e não perde por si, mas por não acreditar em si. A dor da perda é bem maior.

Nenê é um ídolo da torcida, porém já há um quase consenso de que não consegue mais impor dinamismo ao meio de campo, tão necessário para um clube que carece de maiores valores individuais como o Vasco. Ou um time impõe sua técnica, ou impõe sua tática, seu dinamismo, sua velocidade. O Vasco era um clube vazio. Tecnicamente entrava em campo abaixo e fisicamente era engolido.

Milton não pensou duas vezes e sacou Nenê do time. Foi para o risco, poderia dar errado e colocar a própria cabeça na guilhotina. Deu certo. O time cresceu, se tornou mais flexível e competitivo. A perda técnica foi compensada com grande proveito pelo ganho em um meio que transita de forma muito mais rápida entre suas linhas. O Vasco ficou mais jovem, com uma cara mais moderna e o próprio Nenê se beneficiou. Deixou de ser um jogador que se arrastava em campo e perdia gols claros (como contra Palmeiras e nas finais do carioca), e se tornou um que entra na hora certa e decide uma partida. É uma situação em que todos ganham. O jogador rende mais com o time mais forte e o time cresce sabendo que tem um trunfo no banco que pode entrar e resolver um jogo.

Outra medida já há muito cobrada era o afastamento do Thales. E aqui cabe um parêntese meu, considero Thales um dos melhores centroavantes jovens do futebol brasileiro, jogador de potencial enorme que pode chegar longe na carreira. Ou pode encerrar a carreira no Duque de Caxias. Depende só dele. Enquanto ele não se decide, o Vasco não pode esperar. Quem quer jogar tem preferência, quem quer comer hambúrguer aguarda do lado de fora. Não deveria ser difícil e não é. Mas tem que ter coragem.

Mais uma vez, Jorginho tentou brigar contra isso. Mas ficou naquele meio-termo, naquele vai não vai. Milton foi lá e fez. Perdeu o Thales temporariamente mas ganhou a moral de exigir que todos se dediquem ao máximo para jogar. O grupo se fortaleceu.

E o trabalho? Milton é incansável. Vê jogo da base, dos adversários da próxima rodada, vê jogo de adversário de daqui a duas rodadas e não para. Nunca é demais trabalhar. Domingo era folga, ele poderia ficar em casa tomando uma cerveja ou mesmo descansando com a família, mas foi lá em Recife ver nossos futuros adversários.

Com isso, o Mister conquista a confiança da torcida. É bom ver na frente do time alguém que joga limpo, que faz o que deve ser feito e que trabalha de forma incansável. A torcida confia em quem é correto e faz o melhor para o Vasco, sem mimimi, sem estrelismo, colocando o clube acima de individualidades. A torcida compra a briga e vem junto.

E com a torcida junto, esse time de fraco se torna médio, de médio se torna bom e o crescimento não para.

A torcida vascaína é o maior combustível desse clube. E com o tanque cheio, o Vasco com certeza pode chegar bem mais longe do que qualquer um imaginaria.

Não duvidem dessa torcida e nem desse clube.

Divisões de Base

Se o Milton Mendes é o primeiro fator de mudança do vascaína, o segundo é sem dúvida a garotada da base que vem surgindo e tomando de assalto o seu lugar no time.

Douglas hoje já é o principal jogador do Vasco. Pet vem se tornando no motor do meio de campo. Henrique se firmou como dono da camisa seis.

E tem mais por aí. Desde que comecei a acompanhar o Vasco, e isso já tem tempo, poucas foram as vezes que vi uma garotada tão boa e em tanta quantidade subindo ao mesmo tempo.

João Pedro, Ricardo Graça, Alan Cardoso, João Vitor, Andrey, Cosendey, Dudu, Pet, Paulinho, Paulo Vitor, Robinho…

Sem esquecer dos talentosos Evander e Caio Monteiro, que tenho certeza ainda vão explodir com essa camisa.

Se existe uma saída para o Vasco, que atravessa hoje um dos momentos mais difíceis de sua história, essa passa necessariamente pelo uso de suas divisões de base. Não há como recuperar o Vasco sem isso.

Esses garotos podem colocar nosso clube lá em cima de novo

É fundamental que o clube os priorize e os trate com todo carinho para que isso aconteça.

Twittadas:

– Para não dizerem que defendo cem por cento o trabalho do Milton mendes, discordo da maneira com que ele afastou o Guilherme Costa do time, sendo que o Guilherme vinha sendo o melhor jogador do Vasco no campeonato estadual

– Um jogador que tem me surpreendido muito no Vasco em 2017 é o Manga Escobar. Confesso que quando ele chegou achei que fosse somente um colombiano folclórico que nada fosse agregar ao grupo. Pelo contrário, toda vez que entra mostra que tem valor.

– Se Manga é a surpresa positiva, a negativa é o Muriqui. De rápido jogador de lado de campo, se tornou um meia lento e sem criatividade. Joga ali por dentro, bem pesado e errando passes. Parece um jogador do time de casados querendo fazer graça no time dos solteiros. Sem condição.

– Pretendo voltar mais vezes nas próximas quartas nesse mesmo espaço. Saudações vascaínas.

Twitter: @hfloret

Anúncios

Concorda, discorda, gostou? Opine você também.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s