Caozagem mulamba

joão-sem-braçoSe há uma coisa que não falta são motivos para se criticar o Estadual e seu regulamento. Que a FERJ produziu um campeonato com times e etapas demais e planejamento de menos (o que dizer de uma Taça Guanabara decidida na Região Norte e de um campeonato que só teve a confirmação de onde será sua final a menos de um mês da sua realização?), todo mundo sabe.

Mas também há certas coisas das quais não se pode reclamar. Vejamos a parte do regulamento do Estadual que trata da semifinal da competição:
confirmaçãoNão é preciso ser um advogado para entender o parágrafo primeiro desse item, é? Se “Dentre as associações classificadas para a fase final terá direito a escolha o mando de campo da primeira ou da segunda partida, a associação de melhor classificação no grupo C” (grupo esse formado pelas equipes que disputaram a Taça Guanabara), está claríssimo que quem escolhe o local da semifinal é o time melhor classificado em cada uma das semifinais, que, vale lembrar, serão em jogo único.

Ou seja, para deixar ainda mais claro, Vasco e Florminense têm o mando de campo e o direito de escolher onde querem jogar a semifinal.

Mas aparentemente, o Sr. Eduardo Bandeira de Mello, presidente mulambo e pessoa da mais alta instrução, não conseguiu entender esse simples parágrafo do regulamento. Por isso, soltou a pérola:

Não sabemos ainda onde vamos jogar. O regulamento é omisso e eu imagino que seja num lugar de comum acordo entre as duas partes e não acho difícil de conseguir esse comum acordo (…) Se é de comum acordo, acho difícil que seja proposto um estádio que não seja neutro. A gente vai achar um lugar legal para jogar”

De tudo isso, a única coisa correta é que a mulambada não sabe onde jogará. Nem teria como saber, já que a prerrogativa de escolher o local da partida é do Vasco. Agora, dizer que o regulamento é “omisso” sobre esse assunto ou esperar que a decisão seja de “comum acordo” é se fazer de desentendido. Não cabe à FERJ marcar nada e não é preciso comum acordo nenhum. Repetindo, o regulamento nos dá o direito de escolher onde queremos jogar.

Se não for escolhida a Colina – e, pra reforçar, sim, poderia ser São Januário, caso isso nos seja preferível – será um estádio que nos agrade, independente dos desejos e vontades urubulinas. Provavelmente se pensará em um estádio maior, até pelo potencial financeiro de uma semifinal entre Vasco e Framengo. Mas se o Sr. Bandeira de Mello não gosta, por exemplo, da Arena da Amazônia, desculpem a franqueza, isso não é problema do Vasco.

A urubulândia poderia dar pitaco onde jogaria a semifinal se tivesse feito algo simples: bastaria ter vencido a Taça Guanabara. Como chegou na quarta colocação, lamento, terá que jogar onde o melhor classificado quiser. Mandar indiretas e dar uma de joão sem braço para influenciar a escolha do local da partida é, além de inútil, patético.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Caozagem mulamba

  1. Esses mulambos estão de brincadeira, tiveram que esperar até a última rodada para tentarem a classificação, e ainda querem escolher aonde jogar, é piada.

  2. O framengo só tá fazendo que é normal pra eles, tentar distorcer os fatos! Será que o presidente deles não sabe ler? Ou será que sabe ler, mas não sabe interpretar?
    Eu até acho que, como vc disse, o Vasco pode até optar por outro estádio, mas comum acordo é o cacete! O Vasco tem de escolher quer jogar, afinal tem esse direito! E quem ficar de mimimi, que alguem do Vasco esfregue o regulamento ASSINADO por todos os times na cara desse sujeito!
    SV

Concorda, discorda, gostou? Opine você também.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s